Islândia: tudo que você precisa saber

ISLÂNDIA, Outubro de 2018
Voos baratos

Chegamos na Islândia com voos saindo e voltando para a Polônia pois, depois do Reino Unido, é o lugar mais barato para encontrar uma passagem para a Islândia. Se você sai do Brasil procure voos baratos para o Reino Unido ou para a Polônia e depois compare os preços somando com os voos para Islândia. Na imigração passamos direto pois não há controle quando se viaja entre países pertencentes ao Acordo Schengen. Quem entra pela primeira vez no Espaço Schengen precisa passar pela imigração.

Voo Poznan-Reykjavik

Como conhecemos a Ilha(Aluguel do Carro)
Fizemos a tradicional volta na ilha pelo Golden Circle mais algumas outras rotas fora dele. Alugamos uma Susuki 4×4 por pouco mais de 40 dólares por dia na Agência Sad Cars, eles ainda nos deram um chip de descontos na rede de postos Olis e OB que além do desconto também nos davam café grátis. Pegamos e devolvemos  o carro no Aeroporto. Para baratear o custo da viagem, dormimos no carro. O gasto total com uma semana de aluguel custou 316 dólares. Pra quem quiser mais conforto pode alugar mini vans com camas confortáveis para dormir e aquecedor, custam o dobro do preço do 4×4. Carros populares como o Up saem por 200 dólares por semana. Não vimos nenhum pedágio. Pra quem não vai se aventurar off road, não é necessário alugar um 4X4. Pra quem vai dormir no carro como nós essa Susuki é ótima pois tem aquecedor nos bancos para aquecer as frias noites. Quem tiver grana alugue uma van ou vá para os hotéis.
 
Combustível
Fizemos a volta na ilha em 5 dias e deixamos o sexto para conhecer a capital Reykjavik. Gastamos mais ou menos 50 mil Coroas Islandesas que na época valia mais ou menos 380 euros ou mais ou menos 1.700 reais. Abastecemos na rede de postos Olis e OB pois tínhamos descontos e ainda ganhamos café. A locadora nos deu um mapa rodoviário da Islândia com a localização dos postos espalhados pelo país. Nos postos da Islândia não tem frentista e o próprio motorista abastece operando diretamente as bombas. No vídeo abaixo explicamos como abastecer e também contamos mais dicas.

Alimentação
Como tudo na Islândia é caro, a comida também é, levamos toda nossa comida ( miojo e biscoitos) da Polônia.
Fazíamos os miojos pegando água quente, em uma garrafa térmica que levamos, nos postos ou cafeterias. Os preços nos mercados da Islândia não são tão caros assim, encontramos miojo por 35 coroas ( +/- 30 cents de euro) e um kg de pão de forma por 260 coroas( 2 euros). A carne é absurdamente cara.
 Banheiro e Onde tomar banho
Usamos os banheiros dos postos de  combustíveis espalhados pela ilha, porém  nenhum tinha chuveiro, logo tomamos banhos nas inúmeras águas termais espalhadas pela Islândia.
Para encontrar águas termais gratuitas, entre no site https://hotpoticeland.com , lá você encontra o mapa da Islândia com todos os trocentos zilhões de fontes de águas termais espalhados pela ilha.
Melhor época para ir
Fomos em fim de outubro para poder ver a Aurora Boreal ( visível somente entre setembro e março) e conseguimos vê-la em duas noites. Nessa época o sol nasce as 9 e se põe a 17h. No verão ( junho/julho) é alta temporada, os preços estão mais caros e a  Islândia fica mais verde, com menos neve e com muita horas de sol durante o dia (+/- 18 horas) . No inverno ( dezembro/janeiro) quase ninguém vai pois  além temperaturas abaixo de zero, algumas estradas são  fechadas por causa da neve, sem contar que o sol só brilha por algumas horas, quando brilha.
Atrações
Todas as atrações que visitamos eram gratuitas e não precisava pagar pelo estacionamento, mas existem outras que pagam para entrar como a caverna de gelo ou o mergulho para ver o encontro das placas tectônicas, bem como o Blue Lagoon ( água termal mais famosa) que custa 60 euros a entrada. Nessas atrações pagas nós não fomos.
Nosso roteiro
Dia 1
Fizemos o sentido anti horário do Golden Circle. Saímos de Reykjavik pela manhã e começamos visitando o Parque  Geyser, as Cachoeiras de Gullfoss, Seljalandsfoss e Skogafoss e a Praia da Areia preta. Dormimos no estacionamento de um posto na cidade de Kalfafel.

Parque  Geyser

 

Gullfoss

Skogafoss

Seljalandsfoss

Praia de areia preta

Dia 2
Conhecemos a cachoeira de Svartifoss, o lago Jökulsarlon onde ficam os Icebergs e algumas focas. Dormimos na cidade de Egilsstadir.

Svartifoss

lago Jökulsarlon

Dia 3
Lago Cratera de Viti, junto fica os campos de lava de Krafla e próximo fica uns Geysers de enxofre chamado Hverir. Também vimos a caverna Grjotagja, que tem uma fonte de água termal dentro porém o banho é proibido e a cachoeira de Godafoss. Dormimos na cidade de Akureyri.
Nesse trecho fica uma incrível catarata que não fomos pois a estrada estava fechada que se chama Detifoss.

Lago Cratera de Viti

Hverir

caverna Grjotagja

Godafoss

Dia 4
Apesar das inúmeras paisagens lindas da estrada não vimos muitas atrações nesse dia apenas a cascata Reykjafoss que fica do lado da fonte de água termal Fosslaug onde ficamos horas em nossa piscina termal particular, melhor que Blue Lagoon não?

Fosslaug

Dormimos na cidade de Stykkishólmur, muito bonita por sinal.
Quem tiver um dia a mais vale a pena dar um pulo nos Fiordes do Oeste, bem legais também.
Dia 5
Contornamos a península até o Snæfellsjökull National Park onde encontramos o cânion Raudfeldsgja Gorge bem na hora que começou a nevar. Nesse dia já chegamos em Reykjavik onde dormimos.

Snæfellsjökull National Park

Raudfeldsgja Gorge

Dia 6
Conhecemos a igreja famosa de Reykjavik e o monumento. Já a caminho do aeroporto passamos pelo lago Kleifarvatn onde próximo encontramos outra água termal gratuita. Também demos um pulo rápido na Blue Lagoon ( parte gratuita).

Reykjavik

Reykjavik

lago Kleifarvatn

Blue Lagoon ( parte gratuita)

 

Blue Lagoon ( parte gratuita)

Para ver mais imagens da Islândia, assista nosso vídeo abaixo.

Siga-nos no INSTAGRAM
Nos acompanhe também em nossa FanPage do FACEBOOK

Veja essa viagem e se inscrevam em nosso canal do YOUTUBE

Entre em contato pelo e-mail [email protected]

Assista o vídeo dessa viagem e se inscrevam no canal ▶